domingo, 15 de novembro de 2009

LULA ESTARÁ RECEBENDO EM POUCOS DIAS O DITADOR DO IRÃ, O QUAL NEGA O HOLOCAUSTO!

OREMOS PARA QUE NENHUMA INFLUÊNCIA MALÉFICA FIQUE NESTA VISITA!!

A IGREJA NÃO PODE SE OMITIR E FINGIR QUE ISSO NÃO ESTÁ ACONTECENDO EM NOSSO PAÍS, OU SEJA, RECEBENDO UM DITADOR COM HONRAS DE CHEFE DE ESTADO. DITADOR ESTE QUE NEGA TODA AS CENAS QUE VOCÊ VERÁ NO VIDEO ABAIXO!!!!

LEIA TAMBÉM O TEXTO ABAIXO PARA QUE VOCÊ ENTENDA O VIDEO (ELE ESTÁ EM INGLÊS).

 

HOLOCAUSTO: LULA, VEJA ESTE FILME!

ASSISTA O VÍDEO NESTE LINK:

http://aluizioamorim.blogspot.com/2009/11/holocausto-lula-veja-este-filme.html

Este documentário de Alfred Hitchcock, mantido em segredo por quase 50 anos, que revela os horrores do holocausto está agora disponível na internet, tanto no Google Vídeos como também no YouTube.

Sua divulgação é mais do que oportuna neste momento que antecede a visita ao Brasil do ditador do Irã, Ahmadinejad, que reiteradamente tem negado o Holocausto e defendido o extermínio de Israel e do povo judeu.

O fato de Lula receber Ahmadinejad com honras de Chefe de Estado é deplorável e vergonhoso.

Transcrevo a seguir detalhes sobre este documentário veiculado pelo ex-Blog de Cesar Maia:

1. Londres e Washington perceberam que teriam um problema perante a história: alguém, no futuro, tentaria negar que aquilo acontecera. A extensão da crueldade era tamanha - no número de vítimas e no ponto ao qual os nazistas levaram os sobreviventes - que nada parecia, de fato, muito crível. Decidiram produzir um filme. Em Londres, coletaram as cenas filmadas pelas tropas ocidentais nos campos e as puseram nas mãos de Sidney Bernstein, diretor do departamento de propaganda do exército britânico.

2. Quando Bernstein começou a produzir o filme, em maio de 1945, os Aliados ainda não tinham total noção do plano de Solução Final para o problema judaico de Adolf Hitler. Conheciam a crueldade, sabiam do genocídio, mas não tinham ainda levantado todos os documentos que provavam a intenção de eliminar uma etnia. Revisando as imagens que chegavam do continente, o cineasta da propaganda britânica percebeu que o trabalho talvez exigisse mãos mais hábeis que as suas.

3. Lembrou de um amigo dali mesmo de Londres, que durante a Guerra achou por bem se radicar nos EUA. Alfred Hitchcock. Os dois jamais terminaram o filme, batizado "Memória dos Campos", também lembrado como o 'documentário de Hitchcock sobre o Holocausto'. Hitchcock serviu como consultor no processo e orientou a edição. Se preocupou em inserir a maior quantidade possível de planos gerais. Temia que, só mostrando as pessoas de perto, alguém achasse que havia sido montagem.

4. Os planos gerais davam mostras das inacreditáveis montanhas de corpos esqueléticos, nus. Pois é que não há nudez escondida neste filme - nudez de gente viva e de gente morta, seios, sexos à mostra, em corpos cujos rostos por vezes lembram caveiras cobertas por um fino tecido. É um documentário cru, violento, muitas vezes difícil de ver. Os EUA logo abandonaram aquela que deveria ser uma co-produção entre eles e Inglaterra.

5. Alguém, ao ver as primeiras imagens montadas por Hitchcock e Bernstein também decidiu arquivar o projeto. Era duro demais. O mundo não estava preparado para ser exposto a estas imagens de terror. O 'documentário de Hitchcock sobre o Holocausto' terminou esquecido. Em 1985, a rede pública de tevê norte-americana PBS comprou do governo britânico a única cópia conhecida dos originais. As imagens, já editadas, não tinham som. Mas havia um roteiro que a equipe de Bernstein escrevera e texto para narração que acompanhava as imagens. Convidaram o ator Trevor Howard para colocar voz no filme. E o exibiram. Agora está na Internet.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gentileza não escrever em LETRA MAIÚSCULA. Por favor, respeite. Palavrões, ofensas e coisas do gênero não serão aceitos. Muito obrigado. Deus o abençoe.