sábado, 30 de janeiro de 2010

HAARP: ORIGENS DA MÁQUINA DE TERREMOTOS


Publico a seguir um trecho editado por mim do artigo de Thierry Meyssan, editor da Voltaire.net (o texto completo pode ser acessado neste endereço). Ele conta como a idéia começou a tomar forma nos anos 40 e como um projeto de máquina de provocar terremotos migrou da antiga URSS, transformada na Rússia de Boris Yeltsin, para as Forças Armadas americanas, quando foi integrada ao projeto HAARP. Thierry discute, no link em inglês, a possibilidade de o terremoto do Haiti ter sido provocado por essa arma.

Essa é uma tragédia do nosso tempo, que clama por um julgamento internacional dos responsáveis por crimes contra a humanidade. Na seqüência, um reforço esclarecedor: um relatório feito por intelectuais contratados pelo Departamento de Estado projetando o uso de armas climáticas para 2025. Publicamos a introdução, com o link equivalente. É uma avalanche de informações difundidas pelo Diário da Fonte, graças a pesquisa de Ida Duclós (mais informações em @BrazilTour, do Twitter).

RÚSSIA CONSTRUIU ARMA SÍSMICA
E VENDEU PARA OS EUA


Thierry Meyssan

Durante a Segunda Guerra Mundial, um grupo de pesquisadores da Nova Zelândia tentou desenvolver um dispositivo capaz de provocar tsunamis que poderiam ser desencadeadas contra o Japão. O trabalho de pesquisa foi realizado por Thomas Leech, um australiano, na Universidade de Auckland por trás do nome de código "Projecto Seal". Várias explosões de pequena escala de teste foram realizadas com sucesso, entre 1944 e 1945, na Whangaparaoa ao largo da costa de Auckland.

Os Estados Unidos considerou este programa tão promissor quanto o "Projeto Manhattan", da bomba atômica, e nomeou o Dr. Karl T. Compton para manter a ligação entre as duas unidades de pesquisa. Compton foi um físico norte-americano e presidente do Instituto de Tecnologia de Massachusetts 1930-1948.

O trabalho iniciado por Thomas Leech teve continuidade durante a Guerra Fria. Em 1947, o rei George VI o elevou à categoria de Cavaleiro do Império Britânico por seu papel na elaboração desta nova arma. Ao mesmo tempo, o Projeto Selo ainda era um segredo militar e não foi divulgado, portanto, que Thomas Leech tinha de fato sido recompensado por inventar a bomba "tsunami". Posteriormente, os serviços de inteligência dos EUA alegou que a investigação nunca realmente existiu e que tudo tinha sido um artifício para impressionar os soviéticos. No entanto, a autenticidade das provas surgiu em 1999, quando o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Nova Zelândia liberou parte da documentação.

Não se sabe se a investigação realizada pelos anglo-saxões continuaram durante a década de 60, mas foi retomada por força das circunstâncias, quando testes nucleares atmosféricos foram abandonadas em favor de sub-testes marinhos. Os Estados Unidos ficaram com medo de provocar terremotos e maremotos involuntariamente. Eles preferiam aprender a fazê-lo intencionalmente.

Oficialmente, no final da Guerra do Vietnã, os Estados Unidos e a União Soviética entraram em acordo sobre batalhas ambientais (terramotos, tsunamis, a desestabilização do equilíbrio ambiental, a modificação da atmosfera - nuvens, chuva, ciclones, furacões -, a alteração do clima, as correntes oceânicas, a camada de ozonio e da ionosfera). Em 1976 foi assinada a "Convenção sobre a Proibição do Militar ou qualquer outra utilização hostil de Técnicas de Modificação Ambiental".

No entanto, em 1975, a URSS iniciou uma nova investigação, desta vez no campo da magneto (MHD) para a finalidade de estudar a crosta terrestre e ser capaz de prever terremotos. Os soviéticos examinaram a possibilidade de provocar terremotos pequenos, a fim de evitar um grande problema. Esta pesquisa foi rapidamente militarizada e resultou na construção de Pamir, a máquina do terremoto.

Após o desmembramento da URSS, os responsáveis deste programa decidiram ir para os Estados Unidos para atrair dinheiro, mas o Pentágono se recusou a pagá-los, já que sua investigação estava incompleta. Em 1995, quando a Rússia era governada por Boris Yeltsin e o oligarca Viktor Chernomyrdin, a Força Aérea americana recrutou os investigadores que trabalham em seu laboratório de Nizhny Novgorod. Eles construíram uma máquina muito mais poderosa, Pamir 3, que foi testado com sucesso. Nesse ponto, o Pentágono contratou os pesquisadores, juntamente com o material, onde foram incorporadas no programa HAARP.


O CLIMA COMO ARMA: ANTECEDENTES

O tempo como força multiplicadora: dominando o clima em 2025

Relatório apresentado em 17 de Junho de 1996, produzido pelo Departamento de Defesa à àForça Aérea americana. Por Col Tamzy J. House/ Lt Col James B. Near, Jr., LTC William B. Shields (USA), Maj Ronald J. Celentano, Maj David M. Husband, Maj Ann E. Mercer
Maj James E. Pugh.

Em 2025, as forças aeroespaciais E.U. podem dominar "o próprio tempo", capitalizando as tecnologias emergentes e com foco em desenvolvimento de tecnologias para aplicações de combate. Esta capacidade oferece à guerra ferramentas de combate a moldar o campo de batalha de uma forma nunca antes possível. Ele oferece oportunidades de impacto operações em todo o espectro do conflito e é pertinente a todos os futuros possíveis. O objetivo deste relatório é traçar uma estratégia para a utilização, num tempo futuro, de um sistema de modificação do clima para atingir objetivos técnicos detalhados.

Na publicação "foi o terremoto no Haiti, provocada pelos Estados Unidos?", nosso objetivo foi trazer para fora uma questão que está agitando os círculos militares e meios de comunicação em vários países, mas que está sendo ignorada em outras. O que importa aqui não é tomar uma posição. De acordo com nossa abordagem, embora muitas vezes incompreendido, é impossível ter uma boa compreensão do xadrez internacional sem estudar o que os líderes deste planeta estão pensando.

Um dos nossos colaboradores tentou rastrear a origem da acusação quanto às possíveis causas do sismo artificial no Haiti. Ele estava preocupado que a coisa toda poderia ter sido uma brincadeira lançada por um certo David Booth (alias Sorcha Faal). No final, nós não tem certeza exatamente quem está por trás da acusação, mas o que sabemos com certeza é que esta questão está sendo calorosamente discutida ao mais alto nível em vários países da América Latina, Europa Oriental e Ásia.

RETORNO - Mais links sobre a máquina de terremotos.

Fonte: http://outubro.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gentileza não escrever em LETRA MAIÚSCULA. Por favor, respeite. Palavrões, ofensas e coisas do gênero não serão aceitos. Muito obrigado. Deus o abençoe.