terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Destruição de Israel é iminente, diz o líder supremo do Irã

Texto da Folha Online
O líder supremo da República Islâmica do Irã, Ali Khamenei, afirmou neste domingo que a destruição de Israel é “iminente” e lançou um apelo à “resistência” contra o Estado judeu.
“Estou muito otimista quanto ao futuro da Palestina, e penso que Israel está em declínio”, declarou o aiatolá iraniano, na presença do líder do movimento radical palestino Jihad Islâmica, Ramadan Abdallah Challah.
“Com a vontade de Deus, a destruição de Israel será iminente”, insistiu, conclamando os muçulmanos a “continuarem com a resistência” e a “confiar na vitória”.
O Irã não reconhece a existência de Israel e apoia os movimentos radicais palestinos.
No fim de janeiro, o líder iraniano disse que o Estado de Israel estava “fadado à destruição”.
Em 2005, o presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, afirmou que Israel deveria ser “varrido do mapa”. Ele ainda qualificou o Holocausto de “mito”, suscitando a indignação dos países ocidentais.
A retórica anti-israelense do regime xiita é um dos fatores que elevam a preocupação com o programa nuclear do Irã…

Quem disse que Lula está preocupado com a ameaça iraniana de destruir Israel?

Texto de Julio Severo
O Brasil inteiro tem motivos de sobra para se preocupar com o tarado atômico do Irã — um termo que alguém usou muito sabiamente para descrever as pretensões atômicas de Ahmadinejad contra Israel. Graças a Lula, Ahmadinejad e seu radicalismo estão muito mais perto do Brasil do que gostaríamos que estivessem.
A visita do tarado atômico ao Brasil, por convite de Lula, provocou muita polêmica, pois Ahmadinejad chamou Lula de “meu amigo”. Por sua vez, Lula defendeu o direito de o Irã desenvolver um programa nuclear para “propósitos pacíficos” — cuja definição é indecifrável para a maior parte da mídia, mesmo diante da realidade patente de que os xiitas iranianos têm a opinião de que o mundo só terá paz quando Israel for varrido do mapa.
Para promover essa “paz”, Ahmadinejad até financia grupos terroristas que têm a meta de destruir Israel. Mas, sem dúvida alguma, uma bomba nuclear explodindo bem no meio de Israel garantiria a tão esperada Pax Iraniana. E, como sempre, Lula diria depois da tragédia: “Oh, eu não sabia de nada!”
Lula, que “não sabe” de nada, vive de modo bem despreocupado. É por isso que recentemente Celso Amorim — provavelmente o mais desastrado e patético ministro (produto legítimo made in PT) das relações exteriores que o Brasil já teve — esteve no Irã não só para agendar a própria visita de Lula ao Irã, mas também para negociar a venda de urânio brasileiro para o programa nuclear iraniano.
Seja o que for que o tarado atômico esteja tramando contra Israel, Lula não quer deixar a presidência sem antes dar uma mãozinha para seu amigo iraniano.
No passado, o Brasil não tinha nenhuma presença internacional marcante. Hoje, Lula não só colocou o Brasil no cenário internacional em importante papel negativo, mas também jogou-o no olho do furação profético ao se aliar às nações que querem a destruição de Israel.
Se Lula lesse o livro de Ester na Bíblia, ele entenderia que dá azar se aliar a um Hamã. Quanto a Ahmadinejad, ou o novo Hamã nojento, se ele fosse um muçulmano sincero, ele veria a incompatibilidade de se aliar a um presidente brasileiro cuja maior preocupação na vida é promover a sodomia — que, aparentemente, o islamismo não aceita.
Seria uma sorte muito grande para o Brasil (e para o Irã) se a bomba iraniana explodisse bem na hora da visita de Lula a Ahmadinejad, bem debaixo do nariz dos dois. Sem essas duas figuras, o mundo veria, independente dos pretensos propósitos “pacíficos” do programa nuclear iraniano, o resultado: mais paz para o Brasil e o Irã.
Leia mais:
Irã, ódio aos judeus e o esquizofrênico governo Lula

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gentileza não escrever em LETRA MAIÚSCULA. Por favor, respeite. Palavrões, ofensas e coisas do gênero não serão aceitos. Muito obrigado. Deus o abençoe.