terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

DISCIPULADO I

Amado, senti da parte do Senhor em compartilhar com você neste nosso primeiro texto uma série de reflexões sobre o discípulo e o discipulado!

Sei que você já teve ter lido ou estudado o assunto ou pelo menos lido a respeito dele, mas entendo que como Deus tem restaurado muitas coisas em seu Reino com certeza Deus também começará e alias já esta começando a mover o seu Espírito neste sentido então convidamos você a gastar alguns minutos lendo este artigo e os próximos sobre este tema tão importante para nós cristãos, em dias que vemos tanto culto a personalidades no mundo e infelizmente até dentro da Casa do Senhor te convido a ler e a meditar no que estamos escrevendo e te convido a mergulhar no conhecimento da Palavra de Deus e assim o Senhor nos conduza nesta jornada!


Como cristãos nos identificamos com os princípios ensinados e vividos por Jesus e isto inevitavelmente nos remete a questão do discipulado e suas implicações, na perspectiva bíblica, nas linhas abaixo:


No Antigo Testamento a palavra hebraica para discípulo é: “lamad” (acostumar-se, familiarizar-se com e aprender) Em Deuteronômio nos caps. 6:10-12; 8:17; 9:4-6; 11:1; Israel é exortado a não esquecer ou desaprender a bondade do Senhor e a não desprezar a vontade do Senhor e assim abrir mão de sua eleição e promessas divinas. Israel por causa de sua eleição é levado por Deus a aprender a obedecer e a temer ao Senhor e Sua vontade revelada na Torá e isto produziria no coração de cada hebreu a aceitação interior da vontade do Senhor, pois o alvo da aprendizagem é produzir uma ação que corresponda a Palavra. Colin Brown em seu Dicionário de Teologia do Novo Testamento afirma que: “A aprendizagem é o processo mediante o qual a experiência passada do amor de Deus é traduzida, pelos aprendizes, em obediência a torá de Deus (Dt.4:14)¹” Encontramos estas implicações nos Salmos (Sl.119:7,8,71,73), onde Davi ora para que haja uma atitude correta para com a lei que abrange todas as coisas da vida, nos escritos proféticos ouvimos este mesmo eco (Is.1:17, 26:9). Algo que devemos ressaltar também é que quando olhamos a questão do discipulado e a questão da eleição do Senhor e Israel percebemos que embora a palavra tem em seu sentido primário a questão de aluno - professor há um convite para ultrapassarmos esta barreira de professor e aluno, pois nos escritos bíblicos do AT por exemplo não encontramos a expressão: Josué aluno de Moisés, ou Eliseu aluno de Elias, antes encontramos a palavra “servo”, ou seja deveria haver uma aceitação incondicional daquilo que era passado da parte do Senhor Deus através destes homens, pois eles ministravam a Palavra do Senhor!


Concluindo, todos somos convocados pelo Senhor a aceitarmos incondicionalmente a sua vontade , onde nossas ações, palavras, atitudes sejam respaldadas pela Palavra do Senhor!

Que Deus nos ajude e em nosso próximo artigo estaremos falando sobre a palavra e suas implicações no Novo Testamento!


Ap. Francisco Morilha Júnior


Nota Bibliográfica:

Coenen, Lothar e Brown, Colim
O Novo Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento
Reimpressão – 1989
Sociedade Religiosa Edições Vida Nova
São Paulo - Brasil

*********************************************************************
Igreja Apostólica Castelo Forte - Cajamar – SP
E-mail: contato@casteloforte.org.br

http://www.casteloforte.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gentileza não escrever em LETRA MAIÚSCULA. Por favor, respeite. Palavrões, ofensas e coisas do gênero não serão aceitos. Muito obrigado. Deus o abençoe.