segunda-feira, 31 de maio de 2010

Abrindo o coração francamente. De novo. Missões

Aqui publicamos uma longa carta para a igreja brasileira, de um homem e uma mulher consumidos pelo amor aos perdidos.

Vale a pena ler o que eles têm a dizer.

Josimar Salum


-----------------------------------------------


De David & Cleonice Botelho

Querido(a) amigo (a),

Nós não estamos conformados com o atual quadro missionário brasileiro, na realidade, estamos indignados. Por favor, leia por que?

No final dos anos 80 havia um crescimento de 12.8% no envio de missionários, mas no meio daquela década apresentou-se uma diminuição drástica para 3.5% (Sepal). O resultado desta diminuição começa a aparecer célere na maioria das agências missionárias.

Nas conversas com líderes dessas organizações o que ouvimos é que nunca na história receberam um número tão pequeno de candidatos. Isto leva muitos ao desânimo, pois o custo aumenta muito quando o treinamento é feito com poucos candidatos. Por isto, algumas agências já não fazem treinamento por algum tempo.

Contudo, entendo que outros líderes que estão à frente de algumas associações acham um exagero sermos alarmistas diante desse caos. Ora, o que temos procurado é mostrar apenas a realidade.

Nosso objetivo é trabalharmos juntos para tentar mudar esta realidade que temos diante de nós. Que realidade?

1 - Economia brasileira ascendente ainda não é a resposta

Acreditamos piamente que precisamos de profetas para nos despertar e a nos levar a amar a obra missionária transcultural, principalmente aos povos menos evangelizados da terra, ou seja, os que nunca ouviram a mensagem das Boas Novas nenhuma vez. Esta mensagem é o Evangelho do Reino que deverá e será pregado a todas as gentes, como proclamou nosso Senhor Jesus.

Sim, os que nunca ouviram o Evangelho do Reino precisam ouví-Lo pelo menos uma vez. Oswald Smith, pastor da Igreja dos Povos em Toronto - Canadá no século passado cuja igreja sustentava centenas de missionários perguntou e sua pergunta deve ecoar hoje em nossos ouvidos e corações:

"Por que uma pessoa tem o direito de ouvir o Evangelho duas vezes, enquanto outras nunca ouviram sequer uma vez?".

Como igreja no Brasil não podemos, de maneira nenhuma, queixar da falta de recursos econômicos. Em 2002 o salário mínimo que correspondia a 75 dólares agora é de aproximadamente U$ 280. Isto poderia hipoteticamente e proporcionalmente ter aumentado o envio de obreiros aos povos da Janela 10-40 em mais de três vezes.

Em pouco mais de duas décadas o Brasil se tornou em uma das maiores economias do mundo e a igreja evangélica aumentou cerca de quatro vezes em tamanho. E o número de missionários enviados?

2 - Os pastores e a leitura das Escrituras

A Sociedade Bíblica Ibero Americana patrocinou uma pesquisa em profundidade durante seis meses, na cidade de São Paulo, com centenas de pastores e líderes evangélicos de várias denominações, que espontaneamente, participaram de entrevistas e responderam a um questionário específico.

Ao final da tabulação dessa pesquisa concluiu-se que 51% destes pastores e líderes ainda não haviam lido totalmente – ao menos uma vez – qualquer versão das Sagradas Escrituras.

Se a maioria dos pastores nunca leu uma vez sequer o manual de ensino, o guia sagrado, como pode entender e amar a obra missionária transcultural?

Como pode compreender a questão do recrutamento, treinamento e envio de missionários?

Como podem entender a importância de sustentar adequadamente aqueles que se prontificam a irem aos lugares mais inóspitos e esquecidos da terra?

Será que conhecem o Evangelho do Reino? Será que percebem que não poderão crer os milhões e milhões que nunca ouviram a Palavra do Senhor?

Compartilhamos olhando os números a nossa frente. São técnicos, racionais, práticos e criteriosos, porém são a "balança" para avaliarmos se estamos alcançando o alvo ou não.

3 - É importante acertar o alvo?

O apóstolo Paulo, registrou no capítulo 15 verso 22 do livro de Romanos que entre Jerusalém e Albânia já não tinha mais trabalho para fazer, pois já tinham alcançado toda a região com o Evangelho. Por que? Porque haviam trabalhado arduamente para levar a Palavra do Senhor a todos os seus habitantes.

Isto nos faz lembrar de dois casos práticos:

"O marinheiro que não sabe para onde vai qualquer porto que aportar está bem."

O outro sobre certo atirador que causava certa admiração aqueles que viam a precisão de seus tiros: todos acertavam o alvo.

Certo admirador quis surpreendê-lo. Levantou bem cedo e foi observar o atirador. E escondido viu que ele atirava nas árvores e depois circundava o local acertado para fazer parecer que havia acertado o alvo.

Quantas vezes agimos da mesma maneira e acreditamos que estamos acertando o alvo!

É que estamos exportando o modelo brasileiro de missões para toda a América Latina usando o exemplo de nossas igrejas e organizações missionárias. Infelizmente, de fato, não estamos alcançando o objetivo de levar as boas novas aos não alcançados, não completamos a tarefa. Exportar o quê? E o que dizer dos missionários enviados que sem treinamento levam apenas a religião cristã para os povos e por desconhecerem não pregam o Evangelho do Reino?

 4 - O desafio brasileiro

Somente no Brasil temos mais de 150 tribos indígenas sem nenhum obreiro.

Como podemos tomar conhecimento disto sem suspirar diante da realidade de que possuímos aproximadamente 300.000 igrejas evangélicas em nossa pátria?  Mais de 99% delas não possui sequer um missionário transcultural. E a esgamagadora maioria não sustenta nem sequer um missionário para povo algum.

Somos a terceira maior igreja no mundo!

Convivemos com as notícias de um exemplo clássico brasileiro: o grave problema do infanticídio entre os povos indígenas. E daí? A maioria das igrejas indiferentemente nem perguntam.

Que alegria no meio deste deserto de indiferença poder ouvir pelo menos uma uma voz que tem se levantado para combater este grande mal.

Marcia Suzuki está à frente da ATINI que produziu o documentário Hakani mesmo tendo sofrido e ainda sofrer uma grande oposição de vários políticos liberais que crêem que não se deve mudar tal quadro, porque entendem que infanticídio entre índios é assunto antropológico. Para Deus é assunto que a Cruz de Seu Filho resolveu. Jesus morreu por todos os povos indígenas e eles precisam saber disto. Será que a igreja brasileira não sabe?

 Temos que interceder por uma abertura para que estes povos sejam alcançados. A FUNAI não tem permitido a entrada de obreiros. Devemos lembrar que não existem portas fechadas para o Senhor quando oramos especificamente.

Vou repetir: Mais de 99% das igrejas no Brasil não possui um missionário transcultural. E a cada dia deparamos com uma grande e crescente dificuldade de recrutar um missionário transcultural no meio evangélico. Quando um candidato se apresenta, o maior desafio torna-se os recursos para o treinamento apropriado, envio e acompanhamento no campo. Suas igrejas não se envolvem quando não poucas vezes seus líderes lamentam a perda de seu membro.

5 - Cooperação x Competição

Por outro lado, quando deveríamos ver as agências missionárias se unindo para lutar contra o inimigo comum, temos visto várias agências desesperadas competindo por obreiros e buscando os mesmos em outras organizações que deveriam ser parceiras. Algumas agências denominacionais conservadoras estão buscando obreiros pentecostais treinados devido à grande carência de obreiros preparados.

6 - Modismos brasileiros

Como brasileiros apreciamos os modismos tais como: músicas contemplativas, danças, teologia da prosperidade, quebra de maldição hereditária, celebridades gospel e outros movimentos, implantados em nossas igrejas. Estes modismos têm drenado todos os recursos econômicos, tempo e pessoas. Pouquíssimo tem sobrado para a obra missionária. Fato é que infelizmente estes movimentos nunca vêm acompanhados de uma visão de alcançar os menos evangelizados da terra com a Palavra do Senhor. Como poderia se tudo é voltado para nosso próprio conforto, sucesso, riqueza e bem estar?

A realidade pobre é que a média de investimento por crente na obra missionária transcultural é de apenas R$ 1.30 por ano. 

Todas estas tremendas aberrações precisam parar. Precisamos urgentemente de um avivamento missionário que inflame nossas vidas e sopre para longe a apatia, indiferença, comodismo, egoísmo, avareza e incredulidade. Que expulse esta letargia espiritual.

O remanescente precisa se contrapor com uma nova atitude! Como os nobres bereanos que eram pensadores, questionadores, que checavam os ensinos paulinos com as Sagradas Escrituras. Por isto foram elogiados pelo doutor Lucas, escritor de Atos. De fato, foram elogiados pelo próprio Espírito Santo. É preciso analisar pela Palavra se toda esta teologia, prática de igreja, etc realmente confere com as Escrituras. No coração de Deus pulsa alcançar os perdidos em toda a Terra. E que igreja é esta que diz que prega e crê na Palavra, porém não a pratica. Principalmente no que diz respeito a fazer discípulos de todas as nações.

7 - Preletores dos Congressos missionários

Há um elitismo quando alguns acadêmicos são os escolhidos para trazerem as reflexões em nossos congressos. Alguns deles são pastores, mas as igrejas que pastoreiam não têm um programa missionário transcultural. Outros chegam a criticar alguns projetos missionários sem ter nenhuma experiência missionária.  São apenas teóricos alienados da realidade missionária.

A maioria dos congressos missionários pentecostais nada falam dos desafios missionários e a maioria dos preletores não tem nenhuma idéia dos desafios dos povos muçulmanos, budistas, hindus, tribais e o grande desafio das milhares de línguas que nada tem da Palavra de Deus, além da importância do treinamento específico, logística e estratégia e cuidado missionário.

Esqueceram que os verdadeiros avivamentos sempre eram acompanhados por uma grande visão missionária.

8 - Indiferença de alguns e desonestidade de outros

A indiferença é tão grande que há muitos casos de missionários que compartilham nas igrejas seu trabalho e visão. As ofertas são levantadas para o sustento dos missionários e não são entregues a eles ou somente e entregam uma pequena parte. Mentira. Furto descarado. Misericórdia, Senhor Jesus!

O mesmo ocorreu no tempo de Neemias quando os quinhões deixaram de ser dado aos obreiros da casa do Senhor e cada um deles fugiu para os seus campos.

Então a voz de Neemias ecoou: - "porque se abandonou a obra de Deus?".

Como resultado da voz profética do líder, a nação de Israel foi desafiada a trazer de volta os dízimos dos cereais. Então os celeiros se encheram e como resultado os obreiros voltaram para trabalhar na casa do Senhor.

Há um pensamento, quase generalizado, onde se estereotipa o missionário como um "ET" que deve ir para o campo sem o apoio ou a retaguarda. É como o caso de Urias que foi enviado por Davi para o "Front da batalha". Sim, Davi que estava em pecado! Davi pediu para tirar a retaguarda de Urias e o resultado foi a morte de um inocente.

Se algo não for feito a tempo para levantar os recursos dos obreiros deste século 21 veremos a morte da visão missionária transcultural nesta nação, como tem ocorrido em vários países do hemisfério norte.

Estamos cometendo o pecado da omissão. Não é isto que Tiago disse? Aquele que sabe fazer o bem e não o faz está pecando?

Exemplo do remanescente a ser imitado

A Segunda Igreja Batista de Itapeva – Mauá – periferia de São Paulo, com aproximadamente 160 membros investe no sustento de três missionários. Enviou recentemente seis candidatos para o treinamento do Projeto Uniasia. O próprio filho do pastor inclusive.

O coração deste pastor ainda continua apaixonado pelo Senhor e pela extensão de Sua obra até os confins da terra.

Se cada igreja no Brasil enviar somente um obreiro para treinamento para ser enviado aos povos não alcançados iremos ver uma revolução missionária no mundo.

O que devemos fazer para reverter a situação?

Algo precisa ser feito. E de um modo diferente. "É loucura esperar resultados diferentes se continuamos fazendo a mesma coisa".

O que dizer de empresas e negócios que poderão ser levantados para gerarem recursos para a Obra? O que dizer de levantar homens de negócios para abrirem empresas em alguns destes países não alcançados para empregarem missionários brasileiros competentes que possam gerar seu sustento enquanto fazem discípulos nestas nações?

Isto nos faz lembrar da famosa frase de Martin Luther King Jr, pastor batista americano que viveu que nos anos 60. Ele via os negros sofrendo um preconceito racial terrível onde não podiam estudar nas mesmas escolas, andar nos mesmos ônibus, comprarem nas mesmas lojas e freqüentarem os restaurantes dos brancos.

Ele disse: "Esperar que Deus faça tudo enquanto nós não fazemos nada. Isto não é fé é superstição".

Somente unidos para mudar o quadro

Entendemos que é hora de unir as forças. Criar uma sinergia entre as igrejas missionárias e as organizações missionárias.

Há algumas décadas atrás a extinta revista Cruzeiro possuía uma página, sobre a direção de Péricles, onde o personagem era o "Amigo da Onça".

Nesta página havia um quadro que mostrava dois cavalos no meio de um curral, amarrados com uma corda bem curta. Nos cantos havia grama, mas cada um queria comer no seu canto, e eram limitados pelo tamanho da corda.

No quadro seguinte mostrava os dois lado a lado comendo juntos num dos cantos e no outro quadro também lado a lado comendo no outro canto.

A moral da história é que a unidade pode fazer que ambos possam comer.

Associamos isto com o quadro atual. Devemos nos unir para mobilizar, recrutar, treinar, enviar, sustentar e acompanhar o remanescente. Juntos para despertar os que estão inertes, omissos e indiferentes a causa de alcançar os esquecidos e negligenciados pela igreja no mundo.

O Senhor nos entregou a tarefa de fazer discípulos de todos os povos. Desde o momento que Ele disse isto já passaram dois milênios. Há muita terra ainda há para conquistar.

O grande desafio global:

- Há 24.000 povos no mundo e ainda faltam 6800 para serem alcançados.

- Há 6.909 línguas no mundo e 2.432 delas não têm nem uma porção da Bíblia.

- 85.000 morrem a cada dia sem nunca terem ouvido nada de Cristo.

- 500 milhões de chineses que nunca ouviram nem o nome de Cristo.

- Das 600 mil cidades e vilas da Índia 500 mil delas não possui um obreiro cristão.

- Há somente um missionário para atender a 380 mil muçulmanos.

A oração específica pode mudar o quadro

É claro que a resposta está na oração por obreiros para os povos não alcançados e pelas nações, pois Ele é o dono dos obreiros e das nações.

A Bíblia nos ensina a rogar ao Senhor da Seara por obreiros e a pedir nações por herança.

Temos orado por homens. Entre os não alcançados há duas mulheres missionárias para um homem missionário. É cômico pensar que os homens possam estar orando assim: - Eis me aqui, envia minha irmã.

Somente um grande avivamento espiritual e uma volta a Palavra de Deus é que fará que pastores e igrejas peguem a visão missionária mundial.

 

 

Nós temos produzido literatura e vídeos para municiar os intercessores a orar com sabedoria por obreiros, recursos e oração para os lugares menos alcançados da terra. Acabamos de disponibilizar cinco documentários de muçulmanos que tiveram sonhos e visões com Jesus e se converteram. Eles encorajam os crentes como são usados para evangelizar, pois ao final de cada um há um convite para tomar uma decisão ao lado de Cristo – ver o site:  http://www.agoraleia.com

O nosso desafio vem da Ásia

No final de 2008 recebemos um desafio no Congresso Brasileiro de Missões realizado em Águas de Lindóia. Ao orarmos sobre este desagio entendemos que era clamor vindo do Senhor. Respondemos com o "sim" para levantar em 2.010 um contingente de 120 jovens para serem treinados para a Ásia.

Desenvolvemos o projeto avaliando a atual realidade brasileira. Para alcançar o objetivo prontificamos receber os candidatos com um terço do sustento e para cobrir o restante prometemos levantarmos juntos em mobilizações. 

Louvamos a Deus pela parceria ampla que foi feita com um pessoal da Ásia. É uma região com a maior população do planeta, com a maioria dos povos menos alcançados pelo Evangelho, com a maior quantidade de línguas sem sequer um vercículo da Bíblia traduzido. É o centro dos três maiores blocos religiosos depois do cristianismo: islã, budismo e hinduísmo.

E a equipe de logística e estratégia, oito pessoas, foi enviada no final do ano passado... Um pequeno mas decisivo começo.

Neste início de ano recebemos 40 jovens de diversos estados e denominações diferentes. Alguns deles com cursos universitários e cursos bíblicos: um deles com curso bíblico, outro quinto semestre de direito, outro quarto semestre de pedagogia, além de outro que tinha um emprego -   primeiro de concurso nacional do IBGE. Este último vê neste projeto uma oportunidade para ser um tradutor bíblico.

Ainda continuamos mobilizando em diversos estados brasileiros arduamente para levantar mais obreiros para a Ásia...

Recebemos os candidatos com um Salário Mínimo (R$ 510,00) mensalmente e estamos trabalhando juntos com os candidatos, pastores e internacionalmente, para levantar os outros dois salários durante o treinamento.

O projeto é de sete anos. Os candidatos passam dois anos na América Latina e país de língua inglesa. Os cinco anos restantes em universidades da Ásia.

O projeto proporcionará ao candidato, a oportunidade de ter uma formação bíblica, Missiológica, transcultural, formação universitária no exterior, língua inglesa, espanhola e uma língua asiática.

 

 

 Quero convidá-lo agora para se unir conosco para ajudar a mudar este quadro nacional e global,  na esperança de vermos o nome de Jesus ser conhecido, enaltecido, glorificado e adorado entre todos os povos, línguas, raças e tribos da terra.

Clamando por misericórdia, sabedoria e Graça do Senhor para fazer a vontade do Mestre.

David e Cleonice Botelho
Horizontes América Latina
Diretor

Contato: uniasia@mhorizontes.org.br

Para investimento:

Missão Horizontes

Bradesco: Agência 1020 e Conta 3111-9

Convite:

Neste final de Junho e Julho vamos ter vários professores de várias universidades do exterior vindo a Monte Verde para ministrarem seis matérias: Apologética Cristã para o Islã; Fundar Igrejas em Contexto Islâmico; Quem é Alá; Ministério aos Muçulmanos e Seus Desafios, evangelização de muçulmanos e Cristianismo/Islamismo e assuntos teológicos.



===============================================


TRANSFORMANDO" é um periódico enviado pelo Ministério GREATER REVIVAL MINISTRIES
 
 VISÃO
 
O avanço do Reino de Deus sobre toda a Terra até que os reinos deste mundo se tornem o Reino de Deus e de Seu Cristo.
 
PROPÓSITO
 
Desenvolver, implantar e implementar processos bíblicos de avivamento, mensuráveis pela presença palpável do Reino de Deus na transformação de comunidades e da sociedade, nas suas seguintes esferas: família, mercado de trabalho, artes e entretenimento, educação, Governo, religião e mídia.
 
MISSÃO
 
1) Proclamar a mensagem do Evangelho do Reino de Jesus Cristo.
 
 2) Fazer e ensinar discípulos de todas as nações.
 
3) Equipar os santos (todos são ministros) para a obra do Ministério (serviço, genuína adoração a Deus) em suas reuniões (IGREJA), em suas comunidades, no Mercado de Trabalho inclusive.
 
4) Treinar jovens revolucionários a viverem, trabalharem e influenciarem com os valores do Reino demonstrados em suas vidas todos os seguimentos onde estejam inseridos nas suas sociedades.
 
Wassalam Issá Akbar
 
Josimar Salum
 
 
GRM - GREATER REVIVAL MINISTRIES
ABBANET - ABBA TRANSFORMATION NETWORK
Advancing God's Kingdom, Transforming Society
P. O. Box 60.359 - Worcester, MA 01606
Tel 508-519-1773 - Fax 508-852-1168
 
 
 
 
 

 

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gentileza não escrever em LETRA MAIÚSCULA. Por favor, respeite. Palavrões, ofensas e coisas do gênero não serão aceitos. Muito obrigado. Deus o abençoe.