segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Inglaterra e o abandono da fé cristã

Sistema legal da Inglaterra discrimina cristãos

Um bispo anglicano e membro aposentado da Câmara dos Lordes comentou que a cultura legal da Inglaterra está agora sistematicamente cometendo discriminações contra os cristãos e disse que a "maré tem de mudar de direção".
Rev. Michael Scott-Joynt

O bispo anglicano de Winchester, o Reverendíssimo Michael Scott-Joynt, culpou a ignorância geral com relação ao Cristianismo e a Lei de Direitos Humanos de 1998, aprovada pelo governo trabalhista de Tony Blair, pelo fato de que os cristãos estão sendo marginalizados pelos tribunais. O bispo estava falando do caso de um conselheiro cristão, Gary McFarlane, que foi demitido em 2008 depois que disse para seus patrões que ele não poderia, por motivo de consciência, aconselhar parceiros de mesmo sexo. McFarlane havia desafiado a demissão no Tribunal de Apelações, argumentando que as tentativas de forçá-lo a contradizer suas convicções constituía discriminação religiosa. O juiz Laws descartou o caso, dizendo que qualquer tentativa de buscar proteção por convicções religiosas sob a lei é "irracional" e "arbitrária". Laws afirmou que fazer isso poderia colocar a Inglaterra na estrada para se tornar uma "teocracia".
Scott-Joynt disse para a BBC que o caso mostra que "pela primeira vez na nossa história há uma falta generalizada de conhecimento religioso entre aqueles que de um jeito ou de outro têm poder e influência, quer seja o Parlamento ou os meios de comunicação ou até mesmo, ouso dizer, no judiciário".
"O risco seria que há cada vez mais profissões em que poderá ser difícil, para as pessoas que são crentes dedicados, trabalhar em certos serviços públicos, e até no Parlamento. Ninguém que é parte da comunidade cristã crê que você não simplesmente tem opiniões, mas as vive. A manifestação de sua fé é parte de tê-la e não parte de alguma opção".
Depois dos comentários do bispo, o jornal Daily Telegraph citou o Lorde Woolfe, membro da Câmara dos Lordes e o Lorde Juiz Chefe da Inglaterra e Gales de 2000 e 2005, que disse que as queixas do bispo "estão fundamentadas em fatos".
"Penso que é uma coisa muito boa que você esteja expressando essas preocupações porque a maré vem e vai nessas áreas e já pode ser hora de mudar um pouco a direção da maré e fazê-la começar a retroceder. Acho que já fomos longe demais. A lei deve estar acima de qualquer particular regional ainda que seja um interesse religioso, mas ao mesmo tempo deve ter a consciência das preocupações próprias dessa religião. A lei deve se desenvolver de um jeito que, onde quer que se possa praticar, permita que essa religião seja preservada e protegida".
Nesta semana mesmo veio a notícia do caso mais recente de um cristão na Inglaterra se chocando com seus patrões por causa de suas convicções. Margaret Forrester, uma assistente social de saúde de trinta e nove anos da Inglaterra, foi suspensa e ameaçada de demissão, por ter compartilhado suas convicções com seus amigos numa conversa privada sobre os riscos que o aborto representa para a saúde mental.

LONDRES, Inglaterra, 12 de janeiro de 2011 (Notícias Pró-Família)
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
FONTE: www.juliosevero.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gentileza não escrever em LETRA MAIÚSCULA. Por favor, respeite. Palavrões, ofensas e coisas do gênero não serão aceitos. Muito obrigado. Deus o abençoe.