quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Livros escolares europeus excluem Israel do mapa

Livros escolares impressos no Reino Unido tiram Israel do mapa do Oriente Médio e geram protestos. O Conselho Britânico, patrocinado pelo Ministério do Exterior, endossou um livro publicado pela GarnetEducation, empresa que ensina Inglês na Grã-Bretanha.

O livro "Habilidades de escrita, Inglês 1", destinado a ensinar estudantes estrangeiros e imigrantes que moram no Reino Unido, apresenta um mapa com os dizeres " Palestina ocupada " no lugar do Estado judeu.

O conceituado jornal judeu Algemeiner revelou a história. O professor Liz Wiseman destacou que o livro é "um dos materiais mais populares e tradicionais para ensino do Inglês e os livros publicados pela Garnet são bastante populares e influentes".

O British Council, criado pelo Governo do Reino Unido e patrocinado pelo Ministério do Exterior britânico, aprovou o material da Garnet, alegando que a empresa possui "uma reputação global de qualidade e inovação".

Mas por que um livro de ensino de línguas que é vendido em quase todo o mundo hoje em dia se preocuparia com questões políticas tão complexas? Hoje a Garnet Education é controlada por um império de mídia libanês, propriedade do nacionalista árabe Tahseen Khayat, que é um defensor do Hezbollah. Sua filha cuida das subsidiárias e da França no Reino Unido, incluindo a Garnet.

Khayat também dirige a Ithaca Press, considerada a "maior editora de livros acadêmicos sobre Oriente Médio e Estudos Islâmicos". Muitos desses livros tratam da resistência árabe contra Israel. Um livro de ficção publicado recentemente pela Garnet fala sobre soldados palestinos nascidos em Israelenses sendo assassinados a sangue frio e tendo suas casas queimadas.

Usar livros para tratar desse assunto não é uma tática nova. Em 2007, o rei Fahd autorizou  livros didáticos publicados pelo Ministério da Educação da Arábia Saudita, que descrevem os judeus como "macacos" e os cristãos como "porcos".

Em 2010, o livro de geografia mais usado nas escolas britânica encorajava os alunos a fazer perguntas como "Por que os judeus confiscaram as terras que hoje é Israel?" O livro também procurou justificar o terrorismo, informando aos alunos que "os palestinos se sentem impotentes. Eles não têm nenhum país, nenhum governo, nenhum exército e poucos recursos. Por isso recorrem aos bombardeios para serem ouvidos."

O especialista em terrorismo Matthew Levitt explica que a tática de usar livros didáticos visa "formar a consciência política dos jovens". Sempre vistos como fonte da verdade absoluta, influenciam pessoas de todas as idades e crenças. O fato de um governo aprovar esse tipo de material educacional gerou protestos de movimentos judaicos ingleses. Mas durante anos na Grã-Bretanha os grupos islâmicos investem em serviços educacionais e sociais e, aparentemente, conseguiram agora apoio do governo.

Fonte: Gospel Prime



Twitter: http://twitter.com/andrermendonca
Facebook: http://www.facebook.com/andrermendonca
Blog Novo Tempo: http://novotempoagora.blogspot.com/

BRASÍLIA, CAPITAL DA ADORAÇÃO - BRASIL, TERRA DO AVIVAMENTO
TERRA DA ADORAÇÃO AO ÚNICO SENHOR, JESUS CRISTO!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gentileza não escrever em LETRA MAIÚSCULA. Por favor, respeite. Palavrões, ofensas e coisas do gênero não serão aceitos. Muito obrigado. Deus o abençoe.