Durante recentes escavações arqueológicas em Khirbet Qeiyafa, uma antiga cidade fortificada localizada na Judeia, a cerca de 30 km ao sudoeste de Jerusalém, perto do vale de Elah, o professor Garfinkel e seus colegas da Universidade Hebraica de Jerusalém encontraram vários objetos de culto, incluindo três grandes salas que serviam de templos e cuja arquitetura corresponde à descrição bíblica de um culto realizado na época do rei Davi.

É a primeira vez que santuários da época dos primeiros reis bíblicos são descobertos. Esses templos foram erguidos entre 30 e 40 anos antes da construção do Templo de Salomão, em Jerusalém.  A descoberta proporciona a primeira evidência física de um culto no tempo do rei Davi, com implicações significativas para as áreas de história, arqueologia e estudos religiosos, incluindo a Bíblia.

Segundo Garfinkel, "é a primeira vez que os arqueólogos descobriram uma cidade fortificada na Judeia, da época do rei Davi. Mesmo em Jerusalém, nós não temos nenhuma cidade fortificada clara desse período. Deste modo, várias teorias que negam por completo a tradição bíblica sobre o rei Davi, argumentando que ele era uma figura mitológica ou simplesmente líder de uma pequena tribo, caíram por terra", diz o pesquisador. De acordo com a tradição bíblica, o povo de Israel realizava um culto diferente de todas as outras nações da região, por ser um povo monoteísta.

"Ao longo dos anos, milhares de fósseis de animais foram encontrados, incluindo gado, ovelhas e cabras, mas não porcos. Agora descobrimos essas três salas de culto, com objetos, mas não foi encontrado nenhuma figura de um ser humano ou animal. Isto sugere que a população de Khirbet Qeiyafa seguia duas proibições da Bíblia: não comer carne de porco e não gravar imagens humanas ou de animais, o que leva à conclusão de que nesses locais era praticado um culto diferente do praticado pelos cananeus ou filisteus", acrescentou.

Os resultados de cinco anos de pesquisa foram publicados no livro "Os passos do rei Davi, no Vale de Elah", editado pelo jornal Yedioth Ahronoth.

Fonte: Jornal do Brasil