quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Imprensa egípcia confirma: governo central dos EUA está infiltrado por agentes islâmicos


A radical Irmandade Muçulmana não apenas ameaça a paz de Israel e do Oriente Médio. De acordo com a imprensa egípcia, vários de seus agentes se infiltraram no governo norte americano e estão influenciando a política dos EUA.
A respeitada revista egípcia Rose al-Youssef ( روز اليوسف) identificou pelo menos seis agentes influentes vinculados à Irmandade que têm trabalhado em posições de elevada importância dentro do governo de Obama. 
A publicação semanal, fundada em 1925, disse que os agentes mudaram a Casa Branca "de uma posição hostil aos grupos e organizações islâmicas para o maior e mais importante apoiador mundial da Irmandade Muçulmana", um movimento jihadista egípcio que apoia o Hamas e a al-Qaida.
O Presidente Obama apoiou a tomada de poder no Egito pela Irmandade e tem cortejado seus grupos de frente nos EUA. Registros do serviço secreto mostram seus representantes fazendo centenas de visitas à Casa Branca desde 2009.
Rashad Hussain, representante islâmico do governo de Obama para o mundo islâmico
"A Irmandade nos EUA tem o compromisso de destruir o Ocidente por dentro", o ex-promotor de justiça Andrew McCarthy contou ao IBD, citando documentos secretos descobertos pelo FBI depois de 9 de setembro. "Ela passou meio século construindo uma infraestrutura considerável nos EUA", em grande parte com financiamento saudita.
"Infelizmente", ele acrescentou, "nosso governo tem feito muito para fortalecer a rede americana da Irmandade sob o pretexto de 'alcançar os muçulmanos'".
O longo artigo do al-Youssef, traduzido do árabe pelo Projeto de Washington de Investigação sobre o Terrorismo, é em grande parte sem citação de fontes.
Mas ex-agentes do FBI que investigaram as operações de influência da Irmandade dentro dos EUA confirmam que alguns dos nomes citados estão sendo monitorados. Entre eles:
Mohamed Elibiary, um assessor que é alvo do Congresso por acessar inapropriadamente uma base de dados federal. A revista egípcia diz que ele ajudou a moldar a estratégia de anti-terrorismo do governo dos EUA, incluindo censurar material de treinamento do FBI que lidava com jihad.
Ele também alega que ajudou a redigir os comentários de Obama pedindo para que o ex-presidente egípcio Hosni Mubarak deixasse o poder. Mubarak tinha banido a Irmandade classificando-a como um grupo terrorista.
Rashad Hussain, ex-advogado da Casa Branca e agora o enviado especial de Obama para o mundo muçulmano. Hussain, que defendeu o terrorista condenado Sami al-Arian e outros líderes da Irmandade nos EUA, ajudou a redigir o discurso conciliador de Obama no Cairo, onde ele convidou líderes exilados da Irmandade.
Arif Alikhan, ex-assistente da ministra de Segurança Nacional dos EUA para desenvolvimento de políticas e agora um distinto professor visitante de segurança nacional e contra-terrorismo na Universidade de Defesa Nacional. Como um funcionário da cidade de Los Angeles, Alikhan trabalhou com o Conselho de Assuntos Públicos Muçulmanos vinculado à Irmandade para minar os esforços da polícia em monitorar as mesquitas radicais.
Imam Mohamed Magid, outro conselheiro de Segurança Nacional, que encabeça a Sociedade Islâmica da América do Norte, ou ISNA, uma frente da Irmandade declarada pelo Departamento de Justiça como uma co-conspiradora não acusada em um plano criminoso de levantar milhões para o Hamas.
O membro de longa data da diretoria da ISNA Syyid Syeed é visto em um novo documentário, "A Grande Enganação", dizendo aos colegas muçulmanos americanos: "Nosso trabalho é mudar a Constituição dos EUA".
Agentes da Irmandade posando de líderes muçulmanos "moderados" — tais como Abdurahman Alamoudi, que está agora na cadeia e era responsável por captar recursos para a al-Qaida — têm se infiltrado com sucesso nos governos de presidentes americanos anteriores. Mas agentes policiais dizem que a infiltração da Irmandade é mais extensiva e alarmante no governo de Obama.
"O nível de penetração nos últimos três governos é profundo", o ex-agente do FBI John Guandolo disse. "Para o atual presidente, vai até a sua campanha com gente da Irmandade Muçulmana trabalhando com ele naquela época".
Igualmente alarmante, ele diz, o grupo também plantou vários agentes e simpatizantes dentro das Forças Armadas dos EUA, ameaçando ainda mais a segurança nacional. Guandolo diz que o governo identificou centenas de grupos ligados ao Hamas e à Irmandade dentro dos EUA, mas fechou apenas poucas devido a pressões políticas.
"A Irmandade Muçulmana controla cerca de 500 organizações que são ONGs evidentes", ele disse. "Isso quer dizer que eles estão controlando milhares de organizações secretas que não conhecemos e que ninguém está monitorando".
O deputado republicano Louie Gohmert, do Texas, pediu uma investigação sobre a rede e sua influência no governo federal, principalmente sobre o apoio ao novo governo no Cairo.
Paul Sperry
Traduzido por Eliseu P. L. J. do artigo do Investors: Egyptian Press Confirms Washington Infiltrated By Islamists

Twitter: http://twitter.com/andrermendonca
Facebook: http://www.facebook.com/andrermendonca
Blog Novo Tempo: http://novotempoagora.blogspot.com/

BRASÍLIA, CAPITAL DA ADORAÇÃO - BRASIL, TERRA DO AVIVAMENTO
TERRA DA ADORAÇÃO AO ÚNICO SENHOR, JESUS CRISTO!

Livros escolares europeus excluem Israel do mapa

Livros escolares impressos no Reino Unido tiram Israel do mapa do Oriente Médio e geram protestos. O Conselho Britânico, patrocinado pelo Ministério do Exterior, endossou um livro publicado pela GarnetEducation, empresa que ensina Inglês na Grã-Bretanha.

O livro "Habilidades de escrita, Inglês 1", destinado a ensinar estudantes estrangeiros e imigrantes que moram no Reino Unido, apresenta um mapa com os dizeres " Palestina ocupada " no lugar do Estado judeu.

O conceituado jornal judeu Algemeiner revelou a história. O professor Liz Wiseman destacou que o livro é "um dos materiais mais populares e tradicionais para ensino do Inglês e os livros publicados pela Garnet são bastante populares e influentes".

O British Council, criado pelo Governo do Reino Unido e patrocinado pelo Ministério do Exterior britânico, aprovou o material da Garnet, alegando que a empresa possui "uma reputação global de qualidade e inovação".

Mas por que um livro de ensino de línguas que é vendido em quase todo o mundo hoje em dia se preocuparia com questões políticas tão complexas? Hoje a Garnet Education é controlada por um império de mídia libanês, propriedade do nacionalista árabe Tahseen Khayat, que é um defensor do Hezbollah. Sua filha cuida das subsidiárias e da França no Reino Unido, incluindo a Garnet.

Khayat também dirige a Ithaca Press, considerada a "maior editora de livros acadêmicos sobre Oriente Médio e Estudos Islâmicos". Muitos desses livros tratam da resistência árabe contra Israel. Um livro de ficção publicado recentemente pela Garnet fala sobre soldados palestinos nascidos em Israelenses sendo assassinados a sangue frio e tendo suas casas queimadas.

Usar livros para tratar desse assunto não é uma tática nova. Em 2007, o rei Fahd autorizou  livros didáticos publicados pelo Ministério da Educação da Arábia Saudita, que descrevem os judeus como "macacos" e os cristãos como "porcos".

Em 2010, o livro de geografia mais usado nas escolas britânica encorajava os alunos a fazer perguntas como "Por que os judeus confiscaram as terras que hoje é Israel?" O livro também procurou justificar o terrorismo, informando aos alunos que "os palestinos se sentem impotentes. Eles não têm nenhum país, nenhum governo, nenhum exército e poucos recursos. Por isso recorrem aos bombardeios para serem ouvidos."

O especialista em terrorismo Matthew Levitt explica que a tática de usar livros didáticos visa "formar a consciência política dos jovens". Sempre vistos como fonte da verdade absoluta, influenciam pessoas de todas as idades e crenças. O fato de um governo aprovar esse tipo de material educacional gerou protestos de movimentos judaicos ingleses. Mas durante anos na Grã-Bretanha os grupos islâmicos investem em serviços educacionais e sociais e, aparentemente, conseguiram agora apoio do governo.

Fonte: Gospel Prime



Twitter: http://twitter.com/andrermendonca
Facebook: http://www.facebook.com/andrermendonca
Blog Novo Tempo: http://novotempoagora.blogspot.com/

BRASÍLIA, CAPITAL DA ADORAÇÃO - BRASIL, TERRA DO AVIVAMENTO
TERRA DA ADORAÇÃO AO ÚNICO SENHOR, JESUS CRISTO!