terça-feira, 9 de abril de 2013

Revista Time destaca influência e crescimento de evangélicos


A revista Time, continua sendo considerada uma das mais influentes no mundo. Na semana passada, seu artigo de capa foi sobre o julgamento da legitimidade do matrimonio gay na Corte Suprema. Esta semana, focou a grande influência das igrejas evangélicas latinas no cenário atual.
“A Reforma Latina”, diz o titulo em letras amarelas, enquanto o subtítulo, afirma que “no interior das igrejas hispanas se está transformando a religião nos Estados Unidos”.
Diretamente, a publicação reconhece que há uma mudança no panorama religioso dos Estados Unidos, o que poderia influenciar o mundo no futuro.
O aumento da influência latina foi reconhecido politicamente nas recentes eleições presidenciais. Os estudiosos apontaram que anos atrás, enquanto a maioria dos brancos eram cada vez menos religiosos, a “Reforma Latina” fez com que as igrejas sejam mais frequentadas pelos latino-americanos e seus descendentes e puderam duplicar seu tamanho em poucos anos.
Como em seus países de origem, muitos deles eram fiéis católicos, mas se sentiam atraídos pelos cultos pentecostais, sua música alegre e a promessa de milagres e prosperidade. Especialmente para os imigrantes da primeira geração, as igrejas se converteram em uma espécie de refúgio, quase uma nova família longe de casa.
Com os recentes debates no Congresso sobre as leis de imigração, milhares destes hispanos evangélicos podem ficar nos Estados Unidos, o que sem dúvida afetará as gerações futuras.
Os latinos evangélicos são o segmento de mais rápido crescimento na igreja da América. Segundo o Foro Pew sobre Religião e Vida Pública, mais de dois terços dos 52 milhões de latinos que vivem nos Estados Unidos  são católicos. Em 2030, esta cifra poderia cair para  50%, porque muitos estariam tornando-se evangélicos como na maioria dos países de América Latina.
Um dos sinais mais claros desta influência, é que cada vez é maior a consolidação das mega igrejas hispanas, com cultos em espanhol. Não mais como um ministério dentro das igrejas americanas, cuja maioria de membros só falam inglês.
O pastor Wilfredo de Jesús, por exemplo, conduz a Iglecia del Nuevo Pacto das Assembleias de Deus em Chicago, com 17 mil membros. Em 2000, só havia 100 pessoas para a adoração. Esta é agora a igreja maior das Assembleias de Deus dos Estados Unidos. E o processo se inverte, são as igrejas latinas que tem um ministério em inglês que buscam alcançar a geração mais jovem que não domina ou não fala  espanhol. Por outra parte, se torna mais fácil enviar e apoiar missionários nos países da América Latina onde os evangélicos são uma minoria, mas o dólar se mantem forte.
O aumento de latinos evangélicos é cada vez maior e se converte em um desafio tanto para a Igreja Católica Romana como para a Convenção Batista do Sul (SBC  - sigla em inglês), a denominação evangélica maior nos Estados Unidos. Richard Land, ex-presidente de Ética da SBC e da Comissão de Liberdade Religiosa, desafiou há quatro anos, os pastores batistas a investir na evangelização da América.
Se estima que 40% dos batistas do sul, são imigrantes sem documentos no país. Rick Warren, pastor da Igreja Saddleback na Califórnia, admite que “o maior crescimento acontece nas igrejas pentecostais”.
“É uma história que já não pode ser ignorada”, disse.

Fonte: Noticias Cristiana